Quilombolas do Baixo Sul da Bahia participam de oficina sobre masculinidades

Desconstruir a masculinidade tóxica e se abrir a novas perspectivas visando à igualdade de gênero é fundamental hoje em dia, em qualquer espaço que seja. Seguindo esta linha, Koinonia, em parceria com a Articulação de Mulheres Negras do Baixo Sul da Bahia e a Coordenadoria Ecumênica de Serviço (Cese), promoveu uma oficina sobre masculinidades nos dias 12 e 13 de setembro, com quilombolas das comunidades Jetimana e Dandara, na Bahia.

Ao todo, 44 homens participaram de atividades que contribuem para a construção de novas masculinidades, e são estratégias de luta contra as desigualdades de gênero e a violência contra a mulher. Os números relacionados a esta última no estado são altos: apenas no 1º semestre de 2021, o Ministério Público da Bahia (MP-BA) denunciou à Justiça 4.890 casos de agressões contra mulheres.

Obtendo resultado positivo entre o público participante, a oficina será realizada em outras comunidades negras tradicionais da região, e haverá ainda um encontro final para troca de experiências.

Projeto “Construindo Novas Masculinidades” tem início em Camamu

No último final de semana, 01 e 02 de maio, KOINONIA deu início às atividades do projeto “Construindo Novas Masculinidades”.
Realizado em parceria com a Articulação de Mulheres Negras do Baixo Sul da Bahia e apoiado pela CESE, o projeto, apelidado de “Conversa de Homem”, tem por objetivo usar o diálogo com o público masculino como estratégia de luta contra as desigualdades sociais e a violência doméstica, assim como:
Sensibilizar homens de pelo menos 5 comunidades negras rurais para mudança comportamental nas relações desiguais de gênero;
Formar grupos de homens multiplicadores, prontos a atuar nas comunidades e em outros grupos;
Elaborar metodologia de sensibilização e formação voltada para homens negros das comunidades negras rurais;
Realizar, pelo menos, 8 momentos informativos, incluindo sensibilização e capacitação;
Sensibilizar homens sobre a divisão justa do trabalho doméstico, como primeiro passo na mudança de comportamento no âmbito familiar.
Com duração de 10 meses, os encontros acontecem em Camamu, região do Baixo Sul da Bahia, onde KOINONIA tem um forte trabalho junto às comunidades negras rurais.
Para realizar esta ação contamos com Ana Celsa Bonfim, ativista e militante pelo direito das mulheres negras e pela agroecologia, e Pedro Mendes, ativista e militante por direitos das juventudes e paternidade responsável.